jump to navigation

Da dor de se perder um amigo… 15/02/07

Posted by Calsavara in Amigos, Comportamento, Cotidiano, Família, Infância.
6 comments

Os amigos são sua segunda família. É verdade. Pai e mãe, cabe à natureza providenciar. Ou ao destino, sei lá… E com certeza, cabe aos avós!

Avós, cabem à natureza, ao destino e aos bisavós providenciar. E assim, verticalmente, vai. Horizontalmente também, já que os seus avós, provavelmente, não tiveram só seus pais. Cada um dos irmãos dos seus pais, também conhecidos como tios (ou tias, se forem irmãs), também terão seus respectivos filhos (ou filhas), também conhecidos como primos (ou primas).

Os amigos, ah, esses não dependem da natureza ou do destino. Esses somos nós mesmos quem escolhemos. Tá bom, tá bom. A natureza e o destino se encarregam de colocar você em diferentes lugares e diferentes situações, para conhecer pessoas diferentes. Mas a escolha de um amigo, essa nos é pessoal e intransferível.

Eu, por exemplo, tenho amigos no Japão, na Espanha, no Equador, no Acre, em Guarapuava, em  Londrina, em Goiânia, em Ivaiporã e em mais um monte de lugares. Mas todos eles têm alguma coisa em comum: eu os escolhi como amigos.

A natureza e o destino podem nos “presentear” com os espécimes familiares mais diversos dentre a fauna de Homo Sapiens disponíveis. Um primo maconheiro, uma prima duas caras, uma tia louca e um tio pastor que dança funk; por exemplo. Um tio que morreu de bêbado, uma tia hipocondríaca, um primo afeminado e uma prima infantilóide; outro exemplo. Pai amoroso, mãe maravilhosa, irmã exemplar; mais um exemplo.

Mas todos eles já estavam aqui antes de você chegar. Ou pelo menos boa parte deles. Então, você não teve nenhum poder de escolha sobre eles. Senão, você trocaria uma tia louca por outra sã. Ou a prima infantilóide por uma outra mais, digamos, “interessante”…

Os amigos não. Salvo alguma fenda no espaço-tempo, os seus amigos são todos contemporâneos a você. Você é junto com eles, você está junto com eles. Você vive na mesma época que eles.

Quando um primo ou uma tia resolve virar do avesso e não lhe dar mais as fuças, é uma situação chata. Mas que você consegue contornar, afinal, há laços de sangue. Por mais que um irmão odeie sua irmã, é provável que, em algum momento, eles voltem a se falar.  Por isso eu não acredito que alguém possa “perder” um parente.

Agora, quando um amigo seu decide ir embora e não falar mais com você, isso é muito doloroso. Quando isso acontece porque você o fez antes, e foi embora e não falou mais com ele, isso é pior ainda…

Parente é como bumerangue, por mais que você o jogue longe, ele sempre volta. Pode demorar, mas volta.

Amigos, nem sempre…

A todos os meus amigos: eu os amo!!! A todos, indistintamente!!! Vocês, a quem eu escolhi como minha segunda família, são uma parte muito importante da minha vida!!! Amigos com quem tenho um relacionamento próximo, outros com quem perdi um pouco do contato, alguns com quem perdi quase todo o contato, um ou outro com quem não troco mais palavra: eu os amo!!!

Deus os abenções a todos vocês, parte imprescindível da minha existência!!!

Grandes vídeos da Humanidade 7/12/06

Posted by Calsavara in Amigos, Bobagens diversas, Cinema, Entretenimento, Poesia.
1 comment so far

Eis que o grande cineasta Carlos Sarraff, da pujante cidade de Guarapuava, resolve lançar sua obra-prima… Um verdadeiro masterpiece, ou capolavoro, como eles dizem lá…

40 Dias após a Terceira Guerra Mundial segundo Nostradamus!

Atenção para as fantásticas atuações de Flávia Mitterer, Sol  (1’20”, uma expressividade digna de um Oscar), do próprio Carlos Sarraf , Profeta (1’48”, com direito a uma olhadinha para a câmera) e de Sandra Sarraff, Ênia (1’55”, o momento mais emocionante do trailler)!!!

Dica do Lucas… E tem gente que fica preocupada com o tipo de imagem que o filme Turistas vai passar do Brasil…

Está tudo melhorando… 1/12/06

Posted by Calsavara in Amigos, Carros, Cotidiano, Família, Jornalismo, Música, Mulheres, Poesia.
2 comments

“Getting Better” – The Beatles

It’s getting better all the time

I used to get mad at my school
The teachers who taught me weren’t cool
Holding me down, turning me round
Filling me up with your rules.

I’ve got to admit it’s getting better
It’s a little better all the time
I have to admit it’s getting better
It’s getting better since you’ve been mine.

Me used to be angry young man
Me hiding me head in the sand
You gave me the word
I finally heard
I’m doing the best that I can.

I admit it’s getting better
It’s a little better all the time yes
I admit it’s getting better
It’s getting better since you’ve been mine.

Getting so much better all the time.
It’s getting better all the time
Better, better, better.
It’s getting better all the time
Better, better, better.

I used to be cruel to my woman
I beat her and kept her apart from the
Things that she loved
Man I was mean but I’m changing my scene
And I’m doing the best that I can.

I admit it’s getting better
A little better all the time
Yes I admit it’s getting better
It’s getting better since you’ve been mine.

Getting so much better all the time.
It’s getting better all the time
Better, better, better.
It’s getting better all the time
Better, better, better.

Getting so much better all the time.

Grandes excertos do mundo exterior… 21/08/06

Posted by Calsavara in Amigos, Blog, Crônicas.
add a comment

“Sempre achei estúpido esse negócio de perder o apetite se algo triste ou chocante acontece, natural que se esmaeça a alegria, a vontade de conversar, cantar, dançar. Dá para entender. Agora, ante uma adversidade, por si só dolorosa, adicionar o estorvo do jejum, parece-me uma besteira só inteligível levando em conta a herança de algum deturpado código de expiação de culpa lá dos idos medievais do catolicismo”.

Leia na íntegra em Umas Palavras.

***

“Tudo aquilo que o otimismo levemente embriagado arquiteta se implode ao primeiro sinal de ressaca antecipada. E, se um, todo-consciente, sabe por experiência própria que a sobriedade do dia seguinte não vai dar guarida às absurdezas, o segundo tima em fazer de seu niilismo certeza irrefutável”.

Leia na íntegra em Cena Rock.

***

“A soja estah para os vegetarianos como a ciclovia pro PV: eh solucao pra qualquer parada, envergando de crise nas Ilhas Virgens ate crescimento anormal das unhas”.

Leia na íntegra em Idiot Wind.

Duas coisas que, juntas, definitivamente não dão certo! 7/08/06

Posted by Calsavara in Amigos, Blog, Bobagens diversas, Crônicas, Internet.
add a comment

Banda larga e YouTube!

Valeu, Maicon, pela dica!

The end is the beginning… 7/08/06

Posted by Calsavara in Amigos, Comportamento, Cotidiano, Crônicas.
add a comment

Hoje encerrou-se mais um ciclo da minha vida. Oficialmente, deixei de ser morador do Rainbow Building e já não divido mais apartamento com o Gonzo.

Foi um período relativamente curto, de um ano e 3 meses, mais ou menos. Mas foi massa!!! Pensa em alguém liso, inteligente pra caralho, que só não versa sobre “microcirurgia cerebral” (como ele mesmo dizia), uma das três pessoas que eu conheço que mais sabe sobre música (em Londrina, no Brasil, quiçá no mundo), cara gente fina. O Gonzo é o cara com quem você pode trocar uma idéia sobre quadrinhos, passando por video-game, guerra no oriente médio, indie-rock albanês, vantagens de se ter um carro flex, construção de sites, desmatamento da Floresta Negra, vertentes filosóficas do rock, entre outros aspectos da imensa cognoscibilidade humana. E pode ter certeza: ele tem argumentos para (quase) tudo isso. Pode até estar falando alguma bobagem, mentira ou algo que acabou de inventar. Mas a propriedade que ele possui o gabarita para isso, sem que você se sinta inferiorizado.

O Gonzo vai pra Sumpaulo! Vai fazê a América!

Boa sorte, meu velho!!! Obrigado por tudo e desculpa alguma coisa… Quando estiver de volta por esses pagos, não deixe de visitar meu rancho, que estará sempre aberto!!!

Que esse seja o início de uma boa nova vida tanto pra você quanto pra nós por aqui. Até porque, como já diziam as abóboras (não as selvagens, mas as amassadas), “the end is the beginning is the end”…