jump to navigation

Seu cérebro é Total Flex? 14/03/06

Posted by Calsavara in Comportamento, Crônicas.
trackback

As nossas vidas são feitas de escolhas, todos sabemos. Mas como reagimos a elas? Qual é a nossa tolerância a uma decisão precipitada, uma opção feita às pressas? É interessante perceber que vive melhor quem tem o cérebro, por assim dizer, Total Flex. Assim como os carros bicombustíveis, que se adaptam tanto ao álcool quanto à gasolina, nós temos que nos adequar às situações que nos são impostas, advindas de nossas precedências.

E agora...

Todos os dias temos que decidir algo, seja algo que realmente é importante e pode mudar o rumo de nossas vidas, ou mesmo escolhas banais, como o sabor do sorvete ou a marca da cerveja. O que muda, no entanto, é como encaramos essas decisões e, mais importante, como nos portamos quando percebemos que foi uma eleição mal sucedida. Para uns a escolha da roupa a ser usada na balada é uma questão quase de vida ou morte; para outros a escolha da profissão, por exemplo, não passa de mais uma decisão a ser tomada, assim como colocar maionese ou mostarda no sanduíche.Há alguns anos tive que fazer uma destas escolhas que viram a vida de cabeça para baixo e tive que atirar alguns planos pela janela. Por motivos de força maior, optei por realizar a transferência entre universidades para concluir o curso de jornalismo em uma universidade com um maior reconhecimento perante a sociedade. A situação em que lá estávamos era penosa, pois se tratava da primeira turma de um curso recém-criado, onde havia boa vontade de sobra, mas faltavam subsídios técnicos e estruturais.

Já acadêmico da UEL, voltei para participar da formatura dos ex-colegas de curso. Qual não foi minha surpresa ao conferir que a estrutura oferecida pela universidade supera, em alguns pontos, a de algumas emissoras de televisão, mesmo sendo uma instituição estadual. Por um momento fiquei refletindo sobre a minha decisão, já que estamos passando por um início de ano conturbado. Protestos junto ao governo estadual, manifestações por melhorias (justas, por sinal, já que os equipamentos estão há muito ultrapassados e os que resistiram ao tempo estão prestes a atingir os últimos momentos de vida) tomam a agenda dos acadêmicos nas primeiras semanas de aulas. Foi melhor transferir o curso? Teria sido melhor ficar na outra universidade?

Já me fiz muito esta pergunta. E já obtive várias respostas. A maioria delas desanimadora. Talvez porque o nosso coração não seja Flex. Mas a partir do momento que se aprende a lidar com as conseqüências, boas e ruis, das escolhas, mesmo as más, é que se percebe o quanto o nosso cérebro pode ser flexível.

Mas se engana quem acredita que o fato de se possuir essa característica implica, obrigatoriamente, em ser condescendente ao extremo. Aceitar tudo, como se nada pudesse ser feito a respeito, como se não houvesse nenhum caminho possível a não ser seguir o fluxo dos acontecimentos. É justamente o oposto. Como dizia um provérbio antigo, é mudar o que pode ser mudado, aceitar o que não pode ser mudado, e ter o discernimento suficiente para separar um do outro.

Se há dois anos o mais certo era transferir o curso para outra universidade, hoje, olhando para trás, posso perceber que talvez não tenha sido a melhor decisão. Pode ter sido uma má escolha, é verdade. Mas a graça de se ter um cérebro Total Flex é perceber que, apesar da possibilidade de ter sido uma opção mal feita, não há que se lamentar, e sim muito o que fazer para aproveitá-la da melhor maneira possível. Saber lidar com as escolhas, aprender que nem todas as boas escolhas são totalmente boas e que nem todas as más escolhas são totalmente más. Isso é ser Total Flex. Se hoje as condições técnicas do nosso curso não são as melhores, não há que se lamentar pela decisão que foi tomada. Antes, analisar a situação e tomar todas as medidas possíveis para buscar sempre as melhorias.

Aprender a trabalhar o cérebro de maneira Total Flex pode melhorar, e muito, o seu padrão de vida. E você, como lida com suas escolhas?

Anúncios

Comentários»

1. Evandro, vulgo "Evandro" - 20/03/06

mais um belo texto hein nasi!

2. Ângela - 30/10/06

Encarar o “Incrível lado bom das coisas ruins” deve ser o primeiro exercício para se ter um cérebro Total Flex.
Texto bacana!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: